Web Bem Feita

A idéia

Desde que surgiu a idéia de um domínio próprio, me veio na cabeça a pergunta “Sobre o que eu vou escrever lá..?”. A “mensagem” em si é a mesma, temas que fazem a web mais bem feita, como usabilidade, acessibilidade, utilidade, web standards, css, interação, e é claro, teorias, muitas teorias.

O que há de novo então?

Quem se lembra na primeira pesquisa com leitores, das opções “Testes de Usabilidade e Acessibilidade” como temas que os leitores preferiam.Foram de fato os mais votados, então nesse blog teremos análises (não testes de usabilidade, apenas análises) de tudo sobre tudo dos sites que quiserem (se você quiser uma análise do seu site, mande um email para rochester_jorge [a] Yahoo . com . br ; por enquanto será esse o endereço, em breve será do próprio domínio), então para evitar que alguém tente me pegar na saída da escola, somente os sites que quiserem serão analisados e destrinchados (bonita palavra :D) de layout a código, de acessibilidade a usabilidade, passando pela utilidade, claro.

E a parte de CSS e Standards, que tenho estudado bastante e acho que já posso passar algumas coisas interessantes pra frente.

O nome

Acredite já me passaram vários nomes na cabeça. Uns muito ruins (não cheguei ao extremo de “blogdorochester.com” mas chegou bem perto). Outros muito ruins MESMO. Entre os que eu (e o meu consultor de assuntos aleatórios, o Fabiano) mais gostei foram:

  • Não Use Isso – Pelos conceitos em que será baseado, além da usabilidade, como o “humanizado” apesar da tradução ser “usá-lo”, ou seja, estudos de usabilidade SEM se basear SÓ na usabilidade, só no uso.
  • Use Isso – Mesma referência anterior, mas meu lado negro preferia o primeiro.
  • Humanizado – Novamente pela base que terá.
  • Rochester.Blog.Br – Não disse que tinha chegado perto?
  • WebBemFeita – Conceito criado desde o blog anterior, que foi sendo amadurecido, e enfim, virou o nome oficial.

O Tema

Penso em criar mais pra frente um tema novo e exclusivo, pra evitar os milhares de problemas que já tive com temas. Mas esse, por enquanto, acho que está ótimo.

Apesar das alterações restantes (alguns recursos que pretendo implementar, e arrumar a sidebar que está horrível :P), o blog novo está com este post (quase igual a esse) e em breve voltarei a escrever o de sempre, e que vier de novo.

Então, por favor, atualizem os links, assinem o novo feed (by feedburner :D) e visitem o novo blog. Os posts antigos ficarão aqui mesmo, sem link novo pro outro blog. “O que passou passou…”

Depois de 69 artigos, 240 comentários, 1444 spams e uma média de visitas razoável no fim (parece que fechar o blog da mais visitas que manter, no fim a media subiu um pouco, em cerca de 250 visitantes / dia) morre mais um blog. Mas não choraremos por isso.

Agora é oficial, Blog antigo abandonado, blog novo na área.

Rochester Oliveira. Por uma Web Bem Feita

Anúncios

SEO IV – Dicas Úteis

fevereiro 7, 2007

Fechando a série de Otimização no MXstudio, esse é o último artigo.

SEO IV – Dicas Úteis

Lembrando dos últimos capítulos

Pensaram que a saga tinha morrido? Não, não. Como um goku que levanta as mãos para fazer a grande Genki Dama (é assim mesmo?) eu volto para finalizar de vez essa saga (que realmente, ficou mais demorada que a série toda de Dragoon Ball /* Nota metal: Ando assistindo muito desenho animado*/)

No primeiro capítulo, foi falado sobre o conceito de SEO, o que significa, como funciona, e os principais fatores considerados.

No segundo, foi falado sobre alguns dos fatores principais que são considerados na hora de otimizar uma página, e foi explicado um pouco mais sobre o motivo deles serem considerados.

No terceiro e penúltimo, voltamos ao conceito de SEO e vimos porque vale a pena investir nessa otimização para o site.

E agora, veremos as últimas dicas, e para quem ainda estiver com fome, algumas fontes para estudar um pouco mais.

Dicas úteis (ou nem tanto assim)

Escreva Semanticamente o código

Use as tags certas nos locais certos. Se é titulo use <h1>, não <img> ou <p> (para imagens como título, use o “image replacement” ou seja, um título em texto que é substituido por uma imagem qualquer). Assim é dada a relevância certa aos locais certos do documento. Se seu site é sobre uma empresa, porque você vai querer dar destaque a palavra “sopa” que aparece uma vez em um texto mas que por acaso foi usada a tag h1 nela?

Use mas não abuse das Meta Tags

Alguns sistemas de busca ainda dão um certo peso à elas, mas evite colocar lixo nessa parte. Nela podem vir informações importantes como autor, país, linguagem, palavras-chave, descrição do site, programa que gerou o documento, codificação, dizer a aos robôs de busca onde devem procuram o conteúdo, ou onde podem, ou quem pode… Enfim, há várias aplicações para elas. Ah, sim, o Google as ignora completamente 😀

Coloque títulos nos seus links

Além de um texto descritivo no link (o que vai entre o <a> e o </a>) é interessante colocar título no link pois ele pode melhorar sua relevância, ou mesmo ele pode ser a única forma de dizer para onde vai o link (em casos em que o texto do link não faz sentido, por exemplo quando é uma “seta” [< – > ]ou um número).

Cuidado com links quebrados

Um site cheio dos famosos “Erro 404” pode ter seu rank abaixado. Tente tirar proveito dele, colocar uma página de busca no 404, ou no mapa do site, ou mesmo em uma página para que o erro possa ser reportado.

Metáforas demais são perigosas

Várias vezes em conversas por msn com amigos blogueiros, vejo as palavras chave “absurdas” que levam as pessoas aos blogs, pelo simples fato dela estar em um título, ou em um link, ou repetida demais no texto, mesmo que ela seja apenas uma metáfora. Como “grobo”, “orkut sem o mouse”, “site onde tem muitas musicas de funk”, “tem curço gratis”… Acredite, isso é tudo retirado do log de vistas do meu blog. Se pessoas já têm dificuldades para entender metáforas, imagine um pobre script.

Fique atento ao tamanho dos seus documentos

Alguns mecanismos analisam o tamanho e a quantidade de palavras de um documento, para definir o seu ranking em uma determinada busca. Algumas palavras tendem a buscar documentos maiores, outras menores, fique atento ao seu foco de otimização (se é para deixar os documentos maiores ou menores).

O tal do “Nofollow”

Muitos sites utilizam desse recurso quando o próprio usuário tem a possibilidade de criar o conteúdo, então coloca-se o nofollow (“não siga”) na tag de link (<a rel=”nofollow”) então os dispositivos não seguem o link. Mas se colocar, por exemplo, o nofollow em TODOS os links do seu site, isso que dizer que esses links não existem, ou seja, seu site é uma ilha isolada longe dos mecanismos de busca :P.

Pra quê frames?

Imagina só, você descobre que seu site tem um ranking muito bom em tal palavra, e quando clica no link esperando que o google leve você a home do seu site, você vê ele abrindo a “menu.html” que, por acaso, tem somente o menu, já que seu site é feito em frames. Chato né? Mas acontece. E muito. Aliás, você terá sorte se o google apontar para o seu site feito em frames, ele tem problema com elas (e também há problemas graves de acessibilidade com frames, mas não vem ao caso). Porque não usar a simplíssima técnica de “case” em php? Ou outras infinitas formas de se juntar os pedaços da página em uma, sem utilizar frame (nem iframe).

Textos bem escritos são fundamentais

Colocar as palavras certas, nos locais certos, na quantidade certa. Se você souber dividir bem as suas palavras chave e “pingá-las” ao longo do texto e em títulos, você ganha uma relevância maior em buscas por essas palavras. Mas se seu site for relevante, isso vem naturalmente, junto com links de amigos (de preferência com PR alto :D) e um código (que já foi tão falado) bem escrito.

Como avisar nunca é demais, a prática de spam é punível por todos os mecanismos de busca, se você investe nisso (nem que seja apenas tempo e neurônios para melhorar seu site) você fica no mínimo alterado quando vê algum site cheio de spam e táticas para melhorar o pagerank de forma ilícita (bonita a palavra :D), então basta denunciar para a google (ou para qualquer outro mecanismo).

Considerações finais

“Agora que eu segui passo a passo, meu site vai aparecer em primeiro em todas as buscas, eu vou deixar ele e vou dormir e viver de AdSense”? Não.

Agora que você otimizou o seu site, você pode (e deve) procurar mais conteúdo e manter sempre atualizado, pois a melhor propaganda que há é o site relevante.

Mas para ajudar um pouco vou deixar alguns sites interessantes para pesquisa:

Sim, o último link é da Google. Que fonte melhor que essa?

That’s All 🙂

Rochester Oliveira – Coluna de Usabilidade

Para qualquer dúvida ou sugestão:

Mande um e-mail para Rochester Oliveira – rochester@mxstudio.com.br

ou visite o (novo) fórum de Usabilidade do MXStudio

 

Resultado da pesquisa #1

dezembro 2, 2006

Depois de algum tempo morto, eu voltei das profundezas (que cheguei lá graças as minhas queridas escolas, e os trabalhinhos) para divulgar o resultado da primeira pesquisa feita com leitores por aqui.

Como eu já esperava, o pessoal quer ver mesmo é exemplos práticos e análises sobre alguns sites, como já foi feito, por exemplo, com o tableless, o yahoo e com o orkut e hatrick.

A opção mais votada na pesquisa foi a de Análise de Usabilidade de alguns sites 25% (13 votos), então começarei a dar um pouco mais de destaque a esse tema, junto ao segundo mais votado Análise de Acessibilidade de alguns sites 22% (11 votos), que eu não esperava que fosse receber tantos votos.

A Teoria sobre Usabilidade ficou com 20% (10 votos) e é um tema que eu gosto muito, e meu último post foi dedicado a esse assunto

Design de Interação recebeu 18% (9 votos) e é um tema que era foco principal no início da blog, mas logo acabei encontrando temas mais interessantes (e quem sabe, mais úteis?) e que “agradam mais” os leitores.

Semiótica ganhou apenas 14% (7 votos), que me “assustou” pois é um tema que me “rende” mais visitas (principalmente de buscas) e que eu também gosto em especial, mas que ainda tenho MUITO o que estudar… Mas acho que é exatamente por ser algo “desconhecido” ou pouco respeitado na web que esse tema fica escondido ás vezes.

E Outros foram 2% (1 voto) que quem votou sugeriu o tema SEO (não sei se essa opção fica aberta à visualização do público) que já foi bastante abordado aqui, mas que há muito ainda que se falar.

No fim a pesquisa me ajudou um pouco a entender o que os leitores “ativos” (já que o post foi muito visualizado, mas poucos votaram) querem saber mais, e vou tentar seguir esse rumo (principalmente porque vai de encontro ao que eu gosto e quero escrever).

That’s All

Web Insider – Top 10

outubro 13, 2006

Eu resisti ao máximo para escrever esse post (por seu aspecto extremamente egocêntrico 😛 que tento evitar sempre) , mas enquanto não sai um outro que estou preparando resolvi postar só comentando que meu artigo sobre fatores que melhoram (ou não) o pagerank de um site foi (não sei exatamente há quanto tempo) para o Top 10 dos mais lidos do WebInsider .E deixo a dica: Que já leu, opine; Quem não leu, o que está esperando? 😀

Obrigado a todos que leram, opinaram, xingaram, elogiaram… Ouvir o leitor sempre é muito importante para quem escreve.

That’s All

SEO II – Alguns Fatores

setembro 24, 2006

E no embalo do tema SEO, mais um artigo pro MXStudio, agora com os fatores para melhorar o pagerank de um site, que foram citados em um outro artigo meu, um pouco mais explicados e exemplificados.

SEO II – Alguns Fatores

Retomando ao conceito

No artigo anterior foi falado sobre o conceito de SEO, e um pouco sobre os mecanismos de busca. Dessa vez falaremos sobre alguns fatores que ajudam a melhorar o pagerank, dando uma idéia mais prática do que podemos fazer para se melhorar o pagerank. Para quem perdeu o artigo anterior, SEO (Search Engine Optimization ou Optimizers) nada mais é que o estudo e melhora do site para os mecanismos de busca, visando um ranking maior, e um destaque maior nas buscas-orgânicas. Como foi dito anteriormente, são vários fatores que contam para essa avaliação, e não há a certeza absoluta de que um fator tem mais peso que o outro, pelo fato dos dispositivos usarem algoritmos diferentes uns dos outros.

Falaremos inicialmente de 10 fatores, que já foram explorados em um outro artigo meu. E no próximo falaremos de mais alguns importantes. São eles:

  1. Tag Title
  2. Texto dos links (o que fica entre o <a> e o </a>)
  3. Uso de Palavras-Chave no Documento
  4. Acessibilidade do Documento
  5. Links para páginas internas
  6. Assunto principal do Documento
  7. Links Externos
  8. Popularidade links para o Site
  9. Popularidade Global do Site
  10. Spam de Palavras-Chave

Fatores Considerados

1- Tag Title:

É a nossa famosa tag de título, ela é usada para definir palavras chave no site, portanto evite colocar “lixo” nessa parte, e coloque algo mais sugestivo, que possa identificar palavras que dão peso ao site. Ela que dá a informação mais sintética sobre o que há na página. Tem que ser específica por isso, é como você tentar mostrar apenas o nome do arquivo e já se saber o que há nele.

Evite isso:

<title> Artigo – Parte 2 </title>

Prefira assim :

<title> MX Studio – Conteúdo UsabilidadeSEO II – Alguns Fatores </title>

É notável a diferença que tem, e note as palavras em negrito e imagine agora uma pessoa pesquisando. Essa é a chave, imaginar o que o usuário vai digitar ao procurar o seu site.

2- Texto dos Links

Além do endereço dos links, outra parte muito importante é o texto que se insere neles, que é muito importante para definir sobre o que se trata o link, e é bom evitar setas, ou textos não explicativos. Eles devem funcionar como uma descrição do que irá acontecer quando a pessoa clicar no link, dando uma idéia de em que ela vai cair.

Evite isto :

<a href=”pagina55478978.html” > Clique aqui </a>

Note a diferença com título no link (que será mias abordado no próximo artigo), e com a url mais amigável =D :

<a href=”artigo_sobre_seo.html” title=”Artigo sobre SEOMXStudio“> O artigo sobre SEO do MXStudio </a>

Novamente a quantidade de palavras chave que temos, e palavras que são mais fáceis de serem buscadas, ou mesmo de serem encontradas em outros sites (a concorrência baixa também ajuda a aparecer entre os primeiros resultados).

3- Uso de palavras-chave no documento

Uso de palavras que foram procuradas em locais do texto, se elas se repetem, se aparecem na ordem que é buscada (para melhorar esta questão é bom se ter um log das palavras que são buscadas para chegar ao seu site, e ter em mente quais você quer melhorar). Se essas palavras se repetem no texto, provavelmente ele fala sobre o que se pesquisa, então tem relevância para a busca.

4- Acessibilidade do Documento

Isso pode gerar erros na indexação e atualização do conteúdo do site. Se os spiders não conseguem chegar ao site, ou não conseguem “ler” (no caso de uso de flash) e dar peso ao documento, ele não aparecerá nas buscas. Há problemas que podem ser gerados por vários fatores, como links quebrados, requisição de plugins, redirecionamento de url (onde os robôs não conseguem seguir).

5- Links para páginas internas

Pode ser dada mais relevância par uma página dentro do próprio site que é mais linkada. Ela provavelmente tem um conteúdo mais relevante do que alguma que está “escondida”. Isso é importante para se definir qual seria a página que a pessoa deve sair em uma busca por palavras que são encontradas em todo o site.

6- Assunto principal do site

Definir bem sobre o que se fala no site ajuda a melhorar o ranking. Assim as buscas relacionadas ao assunto do seu site têm mais chances de apontar para ele. Pois sites com o conteúdo mais “definido” provavelmente têm mais informações sobre o assunto pesquisado do que os que falam “de tudo um pouco”. Muitos dizem que este é o provável motivo que blogs (geralmente de conteúdo ultra-específico, ou seja, sobre um tema, sem fugir muito disso) aparecem antes de sites grandes como a Wikipédia, que apesar de grande fala sobre vários temas, então não tem um assunto específico.

7- Links externos

Não só a quantidade de links que levam ao seu site, mas sim o peso dos sites que levam a ele dão mais confiabilidade ao conteúdo do seu site, e um ranking maior. Um site que tem links vindos de um site com pagerank maior provavelmente são tão confiáveis, ou têm conteúdo tão relevante quanto os que levam a ele.

8- Popularidade dos links para o Site no nicho pesquisado

Há “comunidades de links”, onde um site leva a um outro, que leva a um outro, que leva ao primeiro. O peso do site nessas “comunidades” (nichos) também influencia no pagerank. Um exemplo que se falava muita há pouco tempo era da “blogsfera”. Pois sites que são “da área” tem mais chances de ter o conteúdo que a pessoa procura, ganhando então mais importância.

9- Popularidade Global do Site

Nesse fator é desconsiderado o pagerank do site que leva até o seu. Sites de troca de link são bons para aumentar nesse quesito. Pois apesar de ser mais importante o peso dos sites que levam ao seu, não pode ser desconsiderado também o número de links que levam a ele.

10- Spam de palavras chave

É um fator que interfere negativamente no ranking. Usar-se de muitas palavras chave para fazer o site parecer mais relevante pode ser ruim.

Considerações finais

Um fato interessante de se lembrar foi todo o escândalo da Cicarelli que aconteceu pelo tal vídeo que rolou na internet. O interessante é a quantidade de blog que abusaram de técnicas SEO (que diga-se de passagem são consideradas spam) para dar uma aumentada nas visitas… E a grande maioria bateu seus recordes de visitação.

Acho que já falei muito isso, mas sempre é bom lembrar que esse tipo de técnica (estou me referindo exclusivamente ao uso de spam, visando aumentar a visitação mesmo que seu site não tenha o conteúdo que é buscado) está sujeita a punição, e quem ver sites que utilizam-se disto basta denunciar para a google 😀 (ou qualquer outro mecanismo de busca)

That’s All 🙂

Rochester Oliveira – Coluna de Usabilidade
Para qualquer dúvida ou sugestão:
Mande um e-mail para Rochester Oliveira – rochester@mxstudio.com.br

ou visite o fórum de Usabilidade do MXStudio

 

SEO I – Conceituando

setembro 4, 2006

Em conversa com o Fabio, ele comentou que eu poderia ter publicado no MXStudio esse ultimo post, então expliquei meus motivos a ele, e para me “redmir” escrevi um artigo sobre SEO para a Coluna de Usabilidade do MXStudio.

SEO I – Conceituando

“Pequena” Introdução

SEO (Search Engine Optimization ou Optimizers) é o termo utilizado para designar a melhora do pagerank de um site, visando à melhora da classificação nos dispositivos de busca, voltado inteiramente para as chamadas buscas-orgânicas. São várias técnicas que são utilizadas, mas elas dividem-se basicamente em 2 tipos, as que visam à melhora por meios lícitos (os “SEO chapéu branco”), e as que tentam burlar os sistemas (os “SEO chapéu preto”). Ignoraremos o segundo grupo aqui (vale destacar que burlar os sistemas resulta em punições rigorosas às vezes, chegando até a não indexação do site).

Há “subgrupos” de fatores, que serão analisados nas próximas colunas, nessa focaremos mais em alguns fatores mais importantes, e na construção do conceito.

Chega até a ser engraçado como aqui no Brasil (em outras partes do mundo não sei como é) há um descaso com os dispositivos de busca, uma ferramenta que é muito utilizada por todas as pessoas, inclusive clientes em potencial. “Engraçado? Por Quê?” Bem, ao digitar algo em um dispositivo de busca, as pessoas chegam em blogs pessoais, ou mesmo em coisas antes de empresas “grandes”, ou mesmo sites de comércio, que tem o termo pesquisado como marca.

Para ver como tudo isso faz a diferença, basta olhar o exemplo do MXStudio. A estruturação do código é feita de uma forma que os dispositivos de busca sabem ao que devem dar peso. Isso dá um pagerank maior para o site no geral, que também é considerado em cada busca. Um exemplo simples, na busca por DIVLEss, o site da MXStudio fica em 2°, atrás apenas do site que foi citado no artigo do Fabiano.

SEO

Uma infinidade de pontos são considerados pelos dispositivos de busca ao dar o pagerank da página, e a maioria dos fatores que são discutidos foram concluídos apenas pela análise dos casos. Mas há alguns fatores em que se há a certeza de que ele é considerado, o que gera dúvida é a importância dele em relação aos outros.

Para entender melhor para que serve e como funciona temos que ver um pouco da história dos dispositivos de busca. No inicio os dispositivos de busca eram orientados pelos próprios WebMasters, onde o algoritmo dos sistemas seguia basicamente as Meta Tags. Mas devido ao abuso das Meta Tags, e pela facilidade de manipulação delas (onde o conteúdo do site pode não corresponder ao que esta nelas), elas perderam grande parte do seu poder (mais ainda hoje elas contam muito) e foram criados algoritmos mais complexos, com mais fatores considerados, e foi criado o pagerank. Aí nasceram dispositivos de busca como são vistos hoje.

São muito altos os números de pessoas que utilizam os dispositivos de busca com as mesmas palavras em apenas um dia. Imagine o número total de pessoas que utilizam a busca em um dia, mês, ou mesmo ano. Mas desse grande número de pessoas, cerca de 80% para na primeira página de resultados, e só com algum investimento em melhoria do pagerank (o tamanho desse investimento varia de site para site) o site consegue aparecer nos primeiros resultados da busca orgânica. A real vantagem de se investir em SEO é o aumento (notável mesmo com poucas melhoras) no número de acessos do site, e consequentemente mais chances de se alcançar seu objetivo.

Para adiantar um pouco o que será aprofundado nas próximas colunas, temos os fatores principais que devemos levar em conta, na hora de tentar melhorar o pagerank:

  1. Tag Title
  2. Texto dos links (o que fica entre o <a> e o </a>)
  3. Uso de Palavras-Chave no Documento
  4. Acessibilidade do Documento
  5. Links para páginas internas
  6. Assunto principal do Documento
  7. Links Externos
  8. Popularidade dos links para o Site
  9. Popularidade Global do Site
  10. Spam de Palavras-Chave

Considerações finais

Uma observação interessante é que são muitos fatores considerados para o pagrank, há quem diga que é algo entre 100 e 200, mas acredito até que possa ser mais. E não há certeza de que um fator é considerado ou não pelo fato das empresas não mostrar as listas dos fatores, e também de que cada dispositivo tem seu próprio algoritmo, ou seja, cada um dá peso a uma coisa (que pode ser a mesma que outros, ou não).

That’s All 🙂

Rochester Oliveira – Coluna de Usabilidade
Para qualquer dúvida ou sugestão:
Mande um e-mail para Rochester Oliveira – rochester@mxstudio.com.br
ou visite o fórum de Usabilidade do MXStudio

 

SEO (Search Engine Optimization) é um termo utilizado para designar a melhora do pagerank do site, e consequentemente sua melhora nos dispositivos de busca.
Serão falados aqui alguns fatores que são considerados os mais importantes para melhorar o pagerank de um Site, citando também quão certo é de que esse fator é importante (geralmente há opiniões diferentes sobre cada um dos fatores, aqui irei expor sob a minha opinião, em vista do que já pesquisei =] ), com o objetivo de aumentar o número de visitas em um site via dispositivos de busca, e também atualização maior pelos dispositivos de busca (sites com um ranking melhor tem um tempo menor entre visitas de robôs de busca).

Teoricamente os 10 Fatores mais importantes são:

1- Tag Title
2- Texto dos links (o que fica entre o <a> e o </a>)
3- Uso de Palavras-Chave no Documento
4- Acessibilidade do Documento
5- Links para páginas internas
6- Assunto principal do Documento
7- Links Externos
8- Popularidade links para o Site
9- Popularidade Global do Site
10- Spam de Palavras-Chave

1- Tag Title:

É uma das primeiras coisas definidas no HTML, será esse o título do site, que aparece no topo da janela do navegador, ou na barra inferior. Ele pode ajudar a definir palavras chave do site, o tema dele, evite colocar “lixo” nessa parte (como caracteres diferentes, ou palavras que não têm a ver com o site).

2- Texto dos Links:

Os dispositivos de busca buscam se o texto procurado está também em um link, dando mais peso a isso (por isso evite links com “clique aqui”, ou sinônimos XD).

3- Uso de Palavras-Chave do Documento:

O uso das palavras que são procuradas no texto (uma olhada nos logs das palavras que mais chegam no site é uma boa :))
4- Acessibilidade do Documento

Gera mais dificuldades na indexação (existe isso? =]), se os spider não conseguem chegar no Site, eles não conseguirão indexar. Podem ser gerados erros por diversos fatores, como links quebrados, requisição de plugins, ou mesmo redirecionamento por url, onde os spiders não conseguem seguir.
5- Links para páginas internas:

A importância de uma página em toda a arquitetura do site pode ser medida através da quantidade de links internos que levam a ela. Uma página mais linkada internamente é mais considerada do que alguma que quase não tem links.
6- Assunto principal do Site:

Definir bem o nicho do site pode ajudar a ter um ranking melhor. Definindo seu objetivo principal, as buscas por termos relacionados têm mais chances de chegar ao seu site. Há quem diga até que esse é o motivo pelo qual alguns sites “pequenos”, ou com menos nome na comunidade web no geral, aparecem antes de sites grandes, mas sem conteúdo principal facilmente definido, como a Wikipedia.

7- Links Externos

Sites de fora apontando para o site dão mais força e confiabilidade. Mas a importância dada a esse fator depende também do site que leva ao seu.
8- Popularidade dos links para o Site no nicho pesquisado:

São formadas comunidades de links, onde um leva a um site, que leva a outro site, que leva a outro site, que leva ao primeiro. A popularidade da Site na comunidade pesquisada também conta bastante no pagerank.
9- Popularidade Global do Site

É a quantidade de links de sites com pagerank bom (ou não) ao seu site. Quanto melhor o pagerank do site que linka o seu, melhor para você :D.
10- Spam de Palavras-Chave

Encher de palavras-chave na tentativa de parecer mais “relevante” pode causar um ranking ruim.

Outros Fatores interessantes são:

*Semântica do Documento – É a utilização correta das tags de título ( <h1>) , de parágrafo (<p>), de subtítulos (<h2>) e assim dando relevância aos pontos certos do documento, e ao site como um todo.
* “Idade” do site –Calculados com base no tempo em que o 1° spider chegou até o site. Sites mais antigos podem ser considerados mais “confiáveis”.
* Meta Tags – Tags colocadas entre o <head> e o </head> por exemplo a de descrição do site <meta name=”Description” content=”Descrição”>. É questionável sua influência no geral, pela facilidade de manipulação.
* Uso de “Alt” em tags de imagem – É o uso da propriedade alt na hora da inserção de uma tag de imagem (<img alt=”texto a ser exibido”>). Pode ser mais considerada em buscas específicas por imagens.
* Tamanho dos arquivos – Para alguns dispositivos o tamanho pode influenciar, sempre baseado nas palavras usadas. As vezes um artigo maior (baseado no numero de palavras) pode ser mais relevante, outras vezes algo mais sintético é melhor.
* Hífens no nome do domínio – Em alguns casos, o uso de hífens sugere uma qualidade menor, ou mesmo ou site de spam.
* Existência de mapa do site ou busca no site – Analisado pelo texto do link, e pode ser entendido como um site mais confiável.
* Extensão do Domínio – Extensões como “.edu” , “.gov”, “.mil” ganham mais relevância no geral do que “.com”, “.net”, e outras.
* Título no link – Pode ser utilizado para avaliar a relevância dos links. Pode ser mais importante ainda em casos que não há texto no link, ou ele não faz nenhum sentido (como “clique aqui”, ou uma seta “->”).
* Tamanho da URL – É um componente que se analisa para ponderar a confiança do site, URL’s longas são vistas como não-usáveis, ou Spam.
* Links Quebrados – Os famosos erros 404 têm um impacto negativo para os dispositivos de busca.

Todas os fatores mencionados aqui são com o objetivo de melhorar o ranking de forma lícita, sem nenhum tipo de burlagem dos sistemas de busca :D. E vale lembrar que as práticas de burlar os sistemas de busca para melhorar o pagerank resultam em punições muitas vezes graves, como a não indexação das páginas do site, ou seja, o site não aparece nas buscas.

//Recomendo a leitura desse artigo em inglês, muito completo, que ajudou a formar minha opinião para muitos pontos vistos aqui.

That’s All 🙂